.

.
Estamos em Campos dos Goytacazes desde 1998 . Somos uma equipe de profissionais treinados, buscando sempre soluções de alta qualidade e preço justo, trabalhando sempre como consultor e conselheiro do segurado. Nossa meta: Identificar as áreas de exposição e recomendar soluções de alta qualidade. Fale com nosso representante comercial: WhatsApp: 998188832 ou seguroemtemposderiscos@gmail.com

segunda-feira, 26 de agosto de 2019

Mitos e verdades sobre a contratação do Seguro de Vida

O Seguro de Vida é uma opção para garantir que entes queridos e dependentes continuem a levar um estilo de vida de qualidade caso o segurado venha a faltar. 
No entanto, alguns mitos ainda fazem com que muitos brasileiros não contratem este tipo de serviço por desconhecerem os seus benefícios, correndo graves riscos caso algum imprevisto ocorra.
Para esclarecer as dúvidas de quem pretende ter esse tipo de seguro, listamos alguns fatos que desvendam esses mitos. Veja a seguir:

1-O seguro de vida é só usado em caso de falecimento

Mito! Um dos grandes mitos é o de que os benefícios do Seguro de Vida só valem após a morte do segurado. Na verdade, o que pouca gente sabe é que o valor do seguro também pode vir a ser utilizado, dependendo das coberturas da apólice contratada, em situações como:
Incapacidade temporária total ou parcial por acidente;
Diagnóstico de câncer, exceto câncer de pele;
Doenças terminais;
Diária por Incapacidade Temporária (DIT), indicado para profissional liberal, que pode contar com o seguro para garantir seus rendimentos em caso de acidente que o afaste do trabalho;
Despesas médico-hospitalares e odontológicas.

2-Seguro de vida é caro

Mito! O Seguro de Vida não é apenas para quem tem uma melhor condição financeira, mas para quem deseja ter mais tranquilidade e proteção familiar. As seguradoras oferecem planos e valores diferentes com o intuito de atender às necessidades de cada pessoa. Tudo depende do perfil de quem o contrata, calculado com base no valor da apólice, idade do segurado, coberturas desejadas, entre outros. Ou seja, contratar um seguro pode ser algo acessível a todos, a depender do plano escolhido e da renda do futuro segurado.

3-O Seguro de Vida é importante também para pessoas solteiras e sem filhos

Verdade! Mesmo que ninguém vá ficar desamparado, a contratação do seguro pode ser feita para garantir a própria estabilidade financeira em caso invalidez ou doença grave, por exemplo.
O próprio segurado pode se beneficiar com o valor do seguro em caso de doenças terminais, invalidez temporária ou permanente, para arcar com custos de tratamento. O seguro Vida Mais Mulher da Porto Seguro, por exemplo, permite o pagamento de indenização em caso de diagnóstico de câncer (exceto Melanoma).

4-Mesmo tendo um seguro de vida em grupo é importante ter um Seguro de vida individual

Verdade! É necessário ter em mente que se caso for demitido ou decidir sair do emprego, perde-se o seguro de vida. Além disso, a seguro de vida em grupo pago pelas empresas nem sempre atende a todas as necessidades de seus funcionários, no que se refere à abrangência e valores de cobertura. Um seguro completo deve ter coberturas para morte natural, morte acidental, invalidez permanente por acidente, invalidez permanente por doença e auxílio funeral. No seguro de vida individual, permite ainda, a inclusão de coberturas especiais para doenças graves, invalidez por doença, diárias por afastamento do trabalho, entre outras.
Gostou das dicas?
Fonte: Porto Seguro
Fazer um seguro de vida te protege contra imprevistos e oferece mais tranquilidade a quem você ama.
Fale conosco em Campos dos Goytacazes e faça uma cotação!
998188832

e-mail: seguroemtemposderiscos@gmail.com


sábado, 24 de agosto de 2019

ACONTECEU UM SINISTRO AUTO… RESPONSABILIDADE CIVIL

Eu fui responsável pela batida. O seguro do meu carro paga o conserto do outro?

Sim, se você tiver contratado um seguro de responsabilidade civil. 
Consulte sua apólice e verifique o Limite Máximo de Indenização (para danos materiais e corporais).
O dono do carro ou de outro bem material que foi atingido vai precisar registrar na seguradora o aviso de sinistro de terceiro, explicando como o acidente aconteceu.
A seguradora só vai autorizar o serviço depois que analisar o laudo de vistoria de ambos os carros.

Eu atropelei uma pessoa. O que faço?

É uma situação difícil e complicada, além de envolver sofrimento e preocupações. Se você contratou uma cobertura de responsabilidade civil, problemas futuros serão amenizados, inclusive honorários de advogado e custas judiciais.
Você deve cumprir algumas etapas, entre elas:
  • em primeiro lugar, procure dar atendimento à vítima, tenha sido ou não responsável pelo acidente;
  • vá à Delegacia Policial mais próxima e registre o Boletim de Ocorrência; e
  • avise ao seu corretor e à seguradora. Se você contratou uma cobertura de responsabilidade civil, ambos vão lhe dar as orientações necessárias sobre os próximos passos.
Esses procedimentos são importantes, mesmo que a vítima não apresente queixa no momento. A reclamação, no entanto, poderá ser feita depois.
Lembre-se, também, de anotar nomes, telefones e endereço de todas as pessoas envolvidas no acidente, inclusive testemunhas, tendo você sido responsável ou não.
O pedestre atropelado e seus beneficiários (cônjuge, filhos), da mesma forma que você, podem abrir um processo, declarando-se vítimas e pedindo reembolso das despesas médicas ou indenização por invalidez e morte.
Com o início das investigações, o acusado poderá ser processado por dano pessoal, permitindo às vítimas pedirem pagamento de despesas hospitalares, perda de capacidade de trabalho ou ressarcimento pela impossibilidade de trabalhar normalmente por determinado período de tempo.
A legislação brasileira permite pedidos de indenização por danos morais como sentimento de dor, perda, constrangimentos e sequelas, além de conceder aos familiares o direito de abrir processo pela morte de familiares mortos em acidentes.
Numa situação dessas, se a vítima fatal for um pai de família, a mãe das crianças pode entrar com um pedido de pensão alimentícia ao proprietário do veículo causador do acidente.

Eu atropelei uma pessoa e não comprei o seguro de responsabilidade civil facultativo. Existe algum outro recurso nessa situação?

Outra opção é o DPVAT, seguro obrigatório que cobre morte, invalidez e despesas médicas e hospitalares. O prazo para a vítima entrar com uma reclamação é de três anos após o acidente.
A questão é que, caso a culpa do motorista fique comprovada e os valores de indenização do DPVAT sejam insuficientes para cobrir as despesas, o complemento financeiro será de responsabilidade do proprietário do veículo.
Lembrete útil
Tentar resolver o acidente na hora, para evitar aborrecimentos posteriores, pode ser uma má escolha. Apesar de ser possível firmar um contrato no local do acidente, esse compromisso não terá valor se a vítima resolver mover uma ação.
Na hora do acidente, a pessoa pode se comprometer a receber R$ 500 e não pedir mais nada, mas pode mudar de ideia e ganhar também uma indenização, na Justiça. Por outro lado, o impacto emocional do acidente reduz a capacidade de raciocínio dos envolvidos.

Fonte: Tudo Sobre Seguros



quinta-feira, 1 de agosto de 2019

Soluções sob medida para locação, com vantagens para todos.

Seguro fiança que assegura ao proprietário  do imóvel o recebimento do aluguel se o inquilino ficar inadimplente , com coberturas opcionais para os demais encargos (condominio, IPTU, contas de água, luz e gás, danos ao imóvel, pintura interna e externa e multa rescisória contratual) além de reparos ao imóvel alugado.

Confira as vantagens que o seguro oferece:

Para Imobiliárias

. Análise de cadastro realizado pela seguradora, gerando redução de custos e facilidade  operacional para as imobiliárias;
. Oportunidade de oferecer o Aluguel Garantido ao locador;
. Certeza do recebimento das taxas de administração, mesmo quando o inquilino estiver inadimplente;
. Possibilidade de trabalhar a forma de pagamento em 1+11 ou 0+11 parcelas por meio de fatura mensal, para imobiliárias cadastradas.

Para os proprietários

. Garantia de recebimento dos aluguéis e encargos antes mesmo do inquilino desocupar o imóvel;
. Análise de crédito feita pela Porto Seguro, o que proporciona mais segurança ao proprietário;
. A Porto Seguro também cobre as despesas judiciais em uma possível ação de despejo;
. Garantia para imóveis comerciais e residenciais.

Para os inquilinos

. Liberdade para escolher o imóvel que quiser sem a necessidade de fiador para fechar o negócio;
. Possibilidade de pagar o seguro em até 6x sem juros no cartão de crédito ou em até 12x com acréscimo de juros  na fatura mensal (comercializado exclusivamente por imobiliárias cadastradas para esta modalidade);
. Serviços à residência - mão de obra gratuita de profissionais para diversos serviços no imóvel. O inquilino terá direito durante a vigência do seguro ao número máximo de utilizações constante nas condições gerais do produto, podendo usar o mesmo serviço mais de uma vez conforme a sua necessidade.
. Descontos diversos - Conforme rede credenciada e condições gerais do produto



Título de Capitalização da Porto Seguro, de 12 ou 15 meses, que funciona como uma garantia locatícia para ser usada em caso de inadimplência . O valor do título é resgatado  pelo inquilino no final do contrato se não houver  inadimplência ou prejuízos. É indicado para clientes que tem recursos disponíveis, mesmo não podendo comprovar renda.

Para as Imobiliárias

. Contratação ágil e fácil;
. A Porto seguro dispensa a análise cadastral do inquilino para a contratação do título;
. Os serviços à residência proporcionam redução de custos para a administradora.

Para os Proprietários

. Assegura ao proprietário o recebimento dos aluguéis, até o limite do valor capitalizado;
. Processo rápido e sem burocracia;
. O proprietário define o valor do título com a imobiliária, que negocia com o inquilino na hora da locação;
. Válido para imóveis comerciais e residenciais;
. Em caso de inadimplência, o título pode ser resgatado de forma rápida e simples.

Para os Inquilinos

. Não depende de fiador;
. Processo rápido e simples;
. Dispensa a comprovação de renda e análise de crédito por parte da seguradora;
. Concorre a prêmios mensais de 2 (duas) vezes o valor do título (Valor do título de R$ 2 mil até 30 mil, sendo possível contratar mais de um título por apólice). Mensalmente, durante a vigência do título o prêmio do sorteio terá incidência de 30% no Imposto de Renda na Fonte.
. Descontos diversos em rede credenciada conforme condições gerais do produto;
. Serviços gratuitos à residência;
. No fim do contrato, o inquilino resgata 100% do valor da reserva de capitalização corrigido mensalmente. Corrigido a 0,5% + TR caso o título não tenha sido utilizado como garantia, de acordo com as condições gerais do produto.




Acrescente o Porto Seguro Imobiliária.
Seguro para o imóvel alugado que evita que o cliente tenha prejuizo se um imprevisto acontecer.
Completo, ele oferece diversas coberturas e pode ser oferecido juntamente com o Porto Seguro Aluguel ou o PortoCap Aluguel.




Coberturas básicas

. Incêndio, Explosão, Fumaça e Queda de Raio no local.

Coberturas opcionais (consulte as franquias das coberturas contratadas de acordo com as condições gerais do produto em www.portoseguro.com.br/imobiliaria).

. Danos elétricos;
. Queda de Raio fora do Local;
. Impacto de Veículos Terrestres, Queda de Aeronave e Engenhos Aéreos;
. Tumultos;
. Responsabilidade Civil - Cobre danos corporais e materiais causados a terceiros, ocorridos no interior do imóvel segurado;
. Vendaval, Ciclone, Furacão, Tornado e Queda de Granizo;
. Perda do Aluguel

Um seguro cheio de vantagens

. Facilidade e agilidade na contratação;
. 100% do valor contratado para as coberturas de Incêndio e Explosão é destinado a cobrir o conteúdo do inquilino quando ele é o segurado na apólice
. Permite segurar imóveis desocupados, estejam eles alugados ou não;
. Serviços à residência - Garante os cuidados ao imóvel, evitando prejuízos ao proprietário e gastos inesperados ao inquilino. É de responsabilidade do segurado a compra de peças e materiais necessários. Serviços prestados de acordo com as condições gerais do produto.


Na hora de alugar, a Porto Seguro tem a solução. Ou melhor, tem três.

Fale conosco e siga os passos!
.   
 



sábado, 13 de julho de 2019

Mitos e verdades sobre a contratação do Seguro de Vida


O Seguro de Vida é uma opção para garantir que entes queridos e dependentes continuem a levar um estilo de vida de qualidade caso o segurado venha a faltar. No entanto, alguns mitos ainda fazem com que muitos brasileiros não contratem este tipo de serviço por desconhecerem os seus benefícios, correndo graves riscos caso algum imprevisto ocorra.
Para esclarecer as dúvidas de quem pretende ter esse tipo de seguro, listamos alguns fatos que desvendam esses mitos. Veja a seguir:

1-O seguro de vida é só usado em caso de falecimento

Mito! Um dos grandes mitos é o de que os benefícios do Seguro de Vida só valem após a morte do segurado. Na verdade, o que pouca gente sabe é que o valor do seguro também pode vir a ser utilizado, dependendo das coberturas da apólice contratada, em situações como:
Incapacidade temporária total ou parcial por acidente;
Diagnóstico de câncer, exceto câncer de pele;
Doenças terminais;
Diária por Incapacidade Temporária (DIT), indicado para profissional liberal, que pode contar com o seguro para garantir seus rendimentos em caso de acidente que o afaste do trabalho;
Despesas médico-hospitalares e odontológicas.

2-Seguro de vida é caro

Mito! O Seguro de Vida não é apenas para quem tem uma melhor condição financeira, mas para quem deseja ter mais tranquilidade e proteção familiar. As seguradoras oferecem planos e valores diferentes com o intuito de atender às necessidades de cada pessoa. Tudo depende do perfil de quem o contrata, calculado com base no valor da apólice, idade do segurado, coberturas desejadas, entre outros. Ou seja, contratar um seguro pode ser algo acessível a todos, a depender do plano escolhido e da renda do futuro segurado.

3-O Seguro de Vida é importante também para pessoas solteiras e sem filhos

Verdade! Mesmo que ninguém vá ficar desamparado, a contratação do seguro pode ser feita para garantir a própria estabilidade financeira em caso de invalidez ou doença grave, por exemplo.
O próprio segurado pode se beneficiar com o valor do seguro em caso de doenças terminais, invalidez temporária ou permanente, para arcar com custos de tratamento. O seguro Vida Mais Mulher da Porto Seguro, por exemplo, permite o pagamento de indenização em caso de diagnóstico de câncer (exceto Melanoma).

4-Mesmo tendo um seguro de vida em grupo é importante ter um Seguro de vida individual

Verdade! É necessário ter em mente que se caso for demitido ou decidir sair do emprego, perde-se o seguro de vida. Além disso, o seguro de vida em grupo pago pelas empresas nem sempre atende a todas as necessidades de seus funcionários, no que se refere à abrangência e valores de cobertura. Um seguro completo deve ter coberturas para morte natural, morte acidental, invalidez permanente por acidente, invalidez permanente por doença e auxílio funeral. No seguro de vida individual, permite ainda, a inclusão de coberturas especiais para doenças graves, invalidez por doença, diárias por afastamento do trabalho, entre outras.
Fonte: Porto Seguro Companhia de Seguros gerais

RC RISCOS CIBERNÉTICOS: NOVO RAMO

Um novo ramo do grupo de seguros de responsabilidade civil (RC) foi criado pela SUSEP: trata-se do RC riscos cibernéticos, código 0327, com a autarquia já tendo iniciado a publicação das estatísticas básicas do ramo.
Assim, ficamos sabendo que entre janeiro e março de 2019 foram emitidos prêmios no valor de R$ 3,3 milhões vendidos pelas seguradoras AIG e Chubb. É uma cifra ainda baixa, mas se pode prever que tenda a crescer fortemente no futuro próximo.

Veja-se por exemplo o que diz artigo sobre riscos cibernéticos publicado no site de Lloyd’s de Londres:
“Por sua natureza, os sistemas digitais são suscetíveis a ataques cibernéticos por indivíduos ou grupos mal-intencionados com repercussões cada vez mais graves para as empresas em todo o mundo. A natureza da ameaça está evoluindo tão rapidamente que está cada vez mais difícil para as organizações se oporem a elas (…). Muitos líderes empresariais não têm consciência sobre a ameaça cibernética. Uma recente pesquisa do Lloyd’s com mais de 350 altos executivos de toda a Europa revelou que, embora 92% das empresas tenham experimentado alguma forma de violação cibernética nos últimos cinco anos, apenas 42% estavam preocupadas que isso pudesse acontecer novamente” (https://www.lloyds.com/about-lloyds/what-lloyds-insures/cyber/cyber-risk-insight).
E o relatório indicava os principais riscos no momento: ataques cibernéticos propriamente ditos (estima-se que ocorra um a cada 39 segundos nos Estados Unidos); negação de serviço distribuído – isto é, tentativa de tornar um serviço online indisponível sobrecarregando-o com tráfego ilegítimo; violação de dados pessoais; comprometimento de e-mail corporativo – ou seja, mensagens maliciosas que objetivam induzir funcionários a realizar transferências indevidas de fundos da empresa; ransomware – um tipo de software nocivo em que o criminoso cobra resgate para restabelecer o sistema infectado por ele; hackeamento de caixas eletrônicos, etc.
Os seguros a venda no mercado brasileiro respondem a parcela desses riscos que afeta terceiros, daí o seguro de RC. Tipicamente, garantem cobertura contra perdas que resultem de reclamação contra o segurado decorrentes de:
  • Violação de informação pessoal ou corporativa, real ou presumida;
  • Perdas decorrentes de ato, erro ou omissão na segurança de dados;
  • Despesas de defesa do segurado relacionadas a uma reclamação;
  • Despesas com honorários, custos e gastos que o segurado incorra para assessoramento legal e representação relacionados a uma investigação;
  • Despesas de aconselhamento com objetivo de mitigar os danos à reputação da empresa em consequência da reclamação (restituição de imagem);
  • Idem para restituição de imagem pessoal;
  • Despesas com notificação de violação de dados aos usuários e
  • Despesas emergenciais de mitigação de danos;
  • Despesas (se for possível) de restauração, restabelecimento ou recriação dos dados eletrônicos perdidos ou corrompidos.
Os prejuízos à própria atividade do segurado estão parcialmente cobertos pelos dois últimos itens – despesas emergenciais e de restauração de dados perdidos. Já os danos materiais causados a máquinas e equipamentos em geral, que funcionam por meio de sofisticados sistemas de informática, não tem, como esperado, cobertura nessa apólice de RC.
Idem para lucros cessantes, isto é, perdas de renda decorrentes da destruição ou interferência em equipamentos essenciais à atividade da empresa. Vale notar que os prejuízos nesse caso costumam ser até superiores aos danos físicos. Um ataque ao sistema de dados (computadores e demais equipamentos) pode cessar totalmente as atividades de uma empresa e levá-la à bancarrota.
As empresas preocupadas com tal risco devem, portanto, conjugar o seguro de RC riscos cibernéticos com um seguro patrimonial que garanta cobertura contra danos materiais e lucros cessantes em razão da materialização do risco cibernético. É preciso, no entanto, atentar para a que a apólice garanta cobertura para softwares e/ou sistemas de dados armazenados ou processados em equipamentos de informática, o que não ocorre em todos os casos.
Internacionalmente, estima-se que o mercado de seguros de risco cibernético tenha gerado prêmios de US$ 4,5 bilhões em 2017, com os Estados Unidos sendo responsáveis por algo entre 80% e 90% desse valor e a Europa, entre 5% e 9% (https://eiopa.europa.eu/Publications/Other%20Documents/181031%20EU-US%20Project%20Cyber%20Insurance%20White%20Paper_publication.pdf) .
O menor desenvolvimento do mercado europeu entende-se ser em razão da maior confiança que há lá na regulação estatal ao invés dos processos judiciais como meio de coibir abusos. Mas, na Europa como no Brasil, espera-se que ganhe força com a vigência das respectivas Leis Gerais de Proteção de Dados (LGPD) que objetivam impelir as empresas a cumprirem padrões de segurança na área e penalizar as recalcitrantes.
É possível prever inclusive que, no futuro, as apólices de riscos cibernéticos cubram as multas milionárias que podem resultar do desrespeito à referida lei de proteção de dados. Na Europa, as empresas que não cumprirem a lei podem ser multadas de 10 a 20 milhões de euros ou de 2% a 4% de seu faturamento. No Brasil, analogamente, a multa pode chegar a 2% do faturamento, limitada a 50 milhões de reais por infração. São valores elevadíssimos que devem fazer com que todos os envolvidos pensem muito em como gerenciar adequadamente tais riscos.

Fonte: www.tudosobreseguros.org.br

Setor imobiliário corporativo: tendências e expectativas


O setor tornou-se um dos segmentos mais importantes da economia brasileira. Com as mudanças nas relações entre empresas e colaboradores e a chegada de novas tecnologias, os espaços passaram a ser planejados com mais cuidado pelas construtoras e imobiliárias.
O setor imobiliário corporativo tornou-se uma preocupação das médias e grandes empresas, que agora procuram espaços que refletem tendências globais, ambientes colaborativos, flexíveis e sustentáveis, e cabe as imobiliárias corporativas se adequarem às novas exigências do mercado, fazendo com que o crescimento do setor no país acompanhe as mudanças de relacionamento e novas tecnologias.
Em fevereiro deste ano a Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), publicou o balanço de 2018 onde, segundo a CBIC, houve o lançamento de mais de 98 mil compras de imóveis, já as vendas ultrapassaram 120 mil unidades. A expectativa da Câmara é que em 2019 as vendas no mercado imobiliário de médio e alto padrão, incluindo os imóveis corporativos, cresçam mais de 30% em relação a 2018.
Tem se tornado comum, por exemplo, o planejamento de espaços mais colaborativos, com divisões horizontais, espaços verdes, que respeitem o meio ambiente, que consigam incorporar as novas tecnologias e que visem a confortabilidade dos clientes e colaboradores. O investimento imobiliário com foco no segmento corporativo tem adotado modelos que proporcionam opções muito além do trabalho realizado em escritório.
Inovação e troca de experiências positivas entre os colaboradores são algumas das características da nova tendência de mercado que é o setor imobiliário empresarial. A satisfação e o bem estar dos funcionários e clientes tornaram-se os principais critérios utilizados pelos gestores imobiliários na hora de planejar os espaços. Para espaços públicos, como shoppings e centros comerciais, a lógica é a mesma: acomodar com segurança, inovação e criatividade.
Segundo Valdir Piran Jr., vice-presidente da Piran Participações e Investimentos, empresa especializada em construção de imóveis corporativos para locação e renda, as mudanças no setor imobiliário corporativo são necessárias e se bem aplicadas, são positivas para o bom funcionamento da imobiliária. "A tendência é justamente propor ambientes mais integrados, que visem a qualidade de vida de todos, colaboradores e clientes. Nossas plantas se distanciam dos modelos tradicionais, porque enxergamos essa adequação das novas gerações, onde os gestores das empresas se preocupam cada vez mais com essa flexibilidade e ambientação mais tecnológica, porém sustentável", afirma.
O crescimento do setor imobiliário também é explicado pela maior abertura de crédito por parte das instituições financeiras, além de outros fatores como menor inflação e aumento do poder de compra do consumidor. Para as imobiliárias corporativas, alguns critérios têm se tornando substanciais para garantir o sucesso do negócio, como a utilização de plataformas virtuais, que permitam ao cliente "passear" pelos anúncios e imóveis planejados e o investimento em marketing e divulgação da marca e serviços oferecidos, que apresente os diferenciais em relação aos concorrentes.
Ambiente corporativo sustentável
Uma das maiores preocupações atuais do setor imobiliário empresarial é a sustentabilidade incorporada aos espaços. O caráter sustentável tornou-se uma preocupação de pequenas, médias e grandes empresas. Nesse quesito, a imobiliária ou construtora precisa entender a responsabilidade social da empresa que contratou o serviço e que por essa razão, o ambiente deve ser planejado de forma sustentável.
A valorização da luz natural nas entradas do imóvel, um sistema eficiente de troca de ar que possibilite a redução do uso do ar-condicionado, paisagismo verde, além da possibilidade de instalação de captação de energias limpas e renováveis, como a solar, são algumas das novas exigências atuais.
Mudanças de mercado
A pesquisa da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), divulgada no início de 2019, mostrou que houve um aumento de 30% na compra e construção de imóveis em 2018 em relação ao ano anterior. Apesar da pesquisa não especificar a percentagem de crescimento no setor imobiliário corporativo, o que se observa é que devido as mudanças organizacionais das instituições, a tendência é que as médias e grandes empresas busquem profissionais e imobiliárias especializadas.
Outra preocupação do setor é o próprio custo-benefício dos espaços construídos. Ao receber a demanda da empresa, há uma planejamento de forma que a estrutura do imóvel atenda às necessidades do cliente, mas que também agregue e gere benefícios para os gestores e colaboradores da empresa, e para isso é necessário observar a distribuição dos espaços que serão utilizados, entre outros critérios, como explica o executivo. "É necessário observar, detalhadamente, uma série de fatores – desde a localização ao tamanho em metro quadrado, até a qualidade da construção, as características de proteção ao meio ambiente, as possibilidades de decoração e a valorização do patrimônio", explica o vice-presidente.

Fonte: www.segs.com.br 

sábado, 8 de junho de 2019

Direção defensiva - Condições Adversas

Condições adversas são todos aqueles fatores que podem prejudicar o seu real desempenho no ato de conduzir, tornando maior a possibilidade de um acidente de trânsito.

Existem várias "condições adversas" e é importante lembrar que nem sempre elas aparecem isoladamente, tornando o perigo ainda maior.

Listaremos as seis condições adversas mais importantes para que você as conheça bem, e tome os cuidados necessários a fim de evitá-las, ou de evitar os danos que elas podem causar a você.

São elas: Luz, Tempo, Vias, Trânsito, Veículo e Condutor.

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

Fonte: Departamento de Trânsito do Paraná

segunda-feira, 3 de junho de 2019

DICAS – AUTOMÓVEIS

Cuidando da sua segurança

  • Previna-se de roubo e furto do carro e de assalto no trânsito
  • No estacionamento
  • Dicas de segurança
  • Dispositivos de segurança
  • Segurança para motoristas jovens
  • Direção defensiva
  • Evite maus hábitos
  • Previna “engavetamentos”
  • Dirigindo com chuva
  • Manutenção
  • Carro enguiçado
  • Segurança das crianças
  • Motoristas maduros

Fonte: Portal Tudo Sobre Seguros

segunda-feira, 13 de maio de 2019

Saúde orienta população sobre atendimento em casos de chikungunya

Paciente deve buscar a Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua casa, no caso dos primeiros sintomas da doença - dores nas articulações e febre alta.

CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

Fonte: Portal da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes

quarta-feira, 8 de maio de 2019

Maio Amarelo: motoristas destacam importância das ações de prevenção

Durante todo o mês, serão realizadas 24 ações em pontos diferentes da cidade, inclusive em distritos, nas áreas com mais fluxo, como avenidas e cruzamentos.




Fonte: Portal da Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes

quinta-feira, 2 de maio de 2019

FINANCIAMENTO DE VEÍCULO




Dirigir o próprio carro é ter a liberdade de ir e vir a hora que quiser.

Conte com Financiamento de Veiculo da Porto Seguro para realizar o sonho do seu carro novo e pagar em até 60 meses. Simule e contrate conosco.

Para mais informações fale com um de nossos consultores em Campos dos Goytacazes/RJ:

e-mail: c.barbosa2006@terra.com.br

terça-feira, 30 de abril de 2019

DETRAN.RJ LANÇA A CAMPANHA MAIO AMARELO 2019


Com o slogan “No trânsito, o sentido é a vida”, o Detran.RJ lança a campanha Maio Amarelo 2019. Várias ações de conscientização voltadas para o comportamento dos pedestres estão programadas para este mês: campanha nas redes sociais e nas ruas, palestras, caminhada, pedalada e iluminação de prédios públicos e pontos turísticos, incluindo o Cristo Redentor e o Maracanã.

O Movimento Maio Amarelo surgiu com a proposta de alertar a sociedade para o alto índice de mortos e feridos em acidentes de trânsito. Apesar do número de acidentes de trânsito com vítimas e da quantidade de feridos e mortos terem caído em 2018 no Estado do Rio de Janeiro, 39% desses mortos foram atropelados.

As estatísticas elaboradas pelo Detran.RJ, com base em registros da Polícia Civil, mostram que no ano passado houve 20.241 acidentes com vítimas, contra 20.535 em 2017. Já o total de vítimas caiu 9,52%, de 31.006 para 28.053, dos quais 26.128 feridos e 1.925 mortos.

Os números mostram que a maioria das vítimas continua sendo homens (66,45%). Os jovens de 18 a 29 anos (28,60%) e os adultos de 30 a 39 anos (20,36%) foram as faixas etárias mais vulneráveis.


Mais informações AQUI

terça-feira, 23 de abril de 2019

Animais de estimação trazem benefícios à saúde em todas as fases da vida

Ter um pet melhora a sociabilidade dos idosos e melhora alergias em crianças
Que criança nunca pediu um bichinho de estimação para os pais? Os pais que atendem a esse pedido podem garantir não apenas diversão para a família, como também menos riscos dos seus filhos desenvolverem alegrias no futuro.
Um estudo da universidade de Alberta, no Canadá, aponta que 70% bebês que convivem com animais tem menos propensão para desenvolver alergias e obesidade. “Por mais impressionantes que sejam esses dados, é importante que sejam tratados com cautela. Se a criança possui quadro alérgico e tem crises severas, não deve ser exposta aos animais, mas para aquelas que não apresentam tanta sensibilidade, o contato é benéfico”, afirma Dr. Rafael Ayvazian, médico de família e comunidade da clínica de Atenção Integral à Saúde da Central Nacional Unimed em Santo André.
Os animais contribuem também para a criação de senso de responsabilidade nas crianças, assim como contribuem para o desenvolvimento cognitivo sendo grandes aliados no tratamento de crianças com autismo.
Não são apenas as crianças que se beneficiam da companhia dos animais. Um estudo divulgado pela Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, aponta que 90% dos idosos que têm cães, gatos ou pássaros relatam uma melhoria na qualidade de vida e no ânimo e, 80% apontam redução no estresse. “A solidão é uma das principais queixas dos idosos, muitos moram sozinhos e não convivem tanto com os filhos e netos. Nesses casos, os animais conseguem suprir essa falta de contato, além disso, fazem com que os idosos tenham que se movimentar mais e se sintam úteis, uma vez que o bicho de estimação necessitará de cuidados”, afirma Ayvazian.
Animais abandonados
Mesmo trazendo todos esses benefícios à saúde, é preciso pensar bem antes de adquirir um animal, pois segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), há cerca de 30 milhões de animais abandonados no Brasil, desse número pelo menos 60% deles são cachorro.
“Muitas pessoas acham que ter um bichinho é simples, mas como qualquer ser vivo demandam bastante atenção e dinheiro. O tutor precisa ter muita consciência de que será responsável pela vida e bem-estar do animal por até 20 anos e, como nós, possui necessidades específicas, também fica doente e precisa de companhia e carinho”, explica Kátia Okumura, gerente de Comunicação, Eventos e Sustentabilidade da Central Nacional Unimed.
As feiras de adoção são uma forma de adquirir um animal e, ao mesmo tempo, reduzir a população de animais de rua. No dia 27 de abril, a ONG Toca dos Peludos realizará uma com o apoio da Central Nacional Unimed na praça Nossa Senhora Aparecida, em Moema. Cerca de 20 animais estarão disponíveis para adoção, entre cães e gatos. Para adotar é necessário ser maior de 18 anos e apresentar um documento oficial com foto. Todos os animais já estão castrados, vacinados e vermifugados.
“Nós já apoiamos a ONG há quatro anos e agora que somos responsáveis pela manutenção da Praça Nossa Senhora Aparecida podemos abrigar uma feira. O benefício trazido pelos animais à vida dos tutores é notável, por isso estamos cada vez mais empenhados em realizar mais eventos como esse que nos aproxime da comunidade”, complementa Kátia.
A Central Nacional Unimed arcará com a Taxa de Adoção de todos os animais, uma prática comum de instituições protetoras, que inclui a castração e vacinação dos bichinhos, além de cuidados veterinários dos próximos animais resgatados.
Sobre a Central Nacional Unimed
A Central Nacional Unimed é a operadora nacional dos planos de saúde empresariais da marca Unimed. Sua carteira de clientes é composta por cerca de 1,6 milhão de clientes de grandes corporações brasileiras. Também trabalha com PME e foco regional em Salvador, São Luís, Brasília e São Paulo. Em 2018, a Central Nacional Unimed registrou receita de R$ 5,6 bilhões (+9,3% em relação a 2017). É considerada uma das melhores empresas para se trabalhar e uma das melhores para se iniciar a carreira. Faz parte do Sistema Unimed, composto por 346 cooperativas médicas presentes em todo o território nacional, que compartilham os valores do cooperativismo e o trabalho para valorização dos médicos e da medicina.
Sobre a ONG
Daura Pereira começou a cuidar de animais abandonados de uma praça do bairro do Jardim Guançã em 2007, nesse mesmo ano foi intimada a recolher todos os animais, caso contrário seriam encaminhados para o Centro de Zoonoses. Após a intimação, Daura, levou todos os animais para sua casa, um tempo depois conseguiu adquirir uma chácara em Mairiporã renovou suas esperanças e lá fundou a ONG Toca dos Peludos. Atualmente a Toca abriga cerca de 250 cães, 48 gatos, 1 Cavalo e 25 Galinhas.

Fonte: www.segs.com.br

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Parkinsonismo: problema está relacionado a diversas doenças

Dr. André Dobrowolski*
Ao contrário do que muitos possam pensar, o parkinsonismo se refere a um grupo de diversas doenças que apresentam sintomas semelhantes, mas que estão associadas a outros problemas neurológicos, dentre elas está a Doença de Parkinson (DP).
Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) apontam que aproximadamente 1% da população mundial com idade superior a 65 anos tem a doença. Já no Brasil, segundo o Ministério da Saúde, cerca de 200 mil pessoas sofrem com o problema.
A Doença de Parkinson pode ter causa hereditária, mas representa a minoria dos pacientes, cerca de 15%. A grande maioria dos casos novos são episódios aleatórios do ponto de vista familiar (qualquer pessoa correrá eventualmente o risco de desenvolver a doença). É notório como o número de casos da doença vem aumentando com o passar dos anos. Essa condição será cada vez mais presente, principalmente quando se leva em consideração que a população brasileira passa por um processo natural de envelhecimento com o aumento da expectativa de vida. Sabe-se que o Parkinson é mais comum após a sexta década de vida – cerca de 1% dos indivíduos com 60 anos ou mais terão a doença – isso nos permite apontar a idade como um dos fatores de risco principais.
A doença crônica e degenerativa ocorre devido a uma redução dos neurônios com dopamina, substância química neurotransmissora responsável pelos movimentos musculares. Sem receber a dopamina, o organismo para de funcionar como deveria e os movimentos são diretamente afetados. Com essa degeneração, alguns sintomas começam a se manifestar, como os tremores – que aparecem em cerca de 70% dos pacientes; rigidez muscular; bradicinesia (termo científico para definir uma lentidão intensa para executar os movimentos); instabilidade para andar (passos curtos e arrastados), face em máscara (sem expressão), instabilidade na postura com possíveis quedas ao solo, alterações na fala e na escrita. Vale lembrar que não é necessário que a pessoa possua a combinação completa dos sintomas mencionados acima. A existência de dois ou mais desses achados já indica alguma possibilidade de estarmos diante da Doença de Parkinson ou de outra doença do grupo do Parkinsonismo e já justifica uma avaliação neurológica direta e cuidadosa.
A Doença de Parkinson é dividida em três fases: na primeira, considerada leve, o paciente é independente para as atividades; na moderada ele mantém a independência, mas necessita de ajuda para determinadas atividades; e, por fim, na avançada, quando apresenta limitação e dependência para as atividades diárias.

Dentre as opções de tratamento estão o uso de medicamentos, realização de fisioterapia, fonoterapia, terapia ocupacional, apoio de psicólogos, nutricionistas e, em alguns casos, procedimentos cirúrgicos. Existe também a estimulação cerebral profunda, que ajuda a diminuir os efeitos do Parkinson. Mas ela só é funcional no estágio moderado da doença, para pessoas até no máximo 80 anos de idade e em casos indicados pelo neurologista.
Sintomas motores da Doença de Parkinson:
Tremores em mãos e braços;
Rigidez muscular – “travar” para executar movimentos;
Bradicinesia – lentidão intensa para executar movimentos;
Perda da expressão facial;
Desequilíbrio, instabilidade e quedas ao solo;
Redução do piscar de olhos;
Alteração na fala;
Aumento de salivação;
Micrografia, isto é, a caligrafia da pessoa se altera e as letras escritas tornam-se menores;
Incontinência urinária;
Sensação de pernas inquietas ao deitar/dormir.
Sintomas não-motores da Doença de Parkinson:
Demência;
Depressão;
Alterações no sono;
Raciocínio lento;
Hiposmia (perda parcial do olfato).
Doenças do grupo dos Parkinsonismos, que podem se parecer com a Doença de Parkinson, mas demandam tratamento diferenciado:
Paralisia Supranuclear Progressiva (PSP);
Atrofia de Múltiplos Sistemas (AMS);
Doença por Corpos de Lewy (DCL);
Degeneração Ganglionar Córtico-Basal (DCB);
Complexo Parkinsonismo-Demência-Esclerose Lateral Amiotrófica.
*Dr. André Dobrowolski, especialista em Neurologia do Hospital VITA (Curitiba - PR)
Sobre o Hospital VITA - A primeira unidade da Rede VITA no Paraná foi inaugurada em março de 1996, no Bairro Alto, e a segunda em dezembro de 2004, no Batel. O VITA foi o primeiro hospital brasileiro a conquistar, no início de 2008, a Acreditação Internacional Canadense CCHSA (Canadian Council on Health Services Accreditation). A certificação de serviços de saúde avalia a excelência em gestão e, principalmente, a assistência segura ao paciente. Além disso, o VITA é um dos hospitais multiplicadores do Programa Brasileiro de Segurança do Paciente (PBSP). Ele visa disseminar e criar melhorias inovadoras de qualidade e segurança do paciente. Integra também o grupo de hospitais da Associação Nacional de Hospitais Privados - ANAHP. O VITA oferece atendimento 24 horas e é referência nas áreas de cardiologia, cirurgia geral, neurologia, cirurgia bariátrica, medicina de urgência, urologia, terapia intensiva, traumato-ortopedia e pediatria. Além disso, dispõe de um completo serviço de medicina esportiva, prestando atendimento a atletas de diversas modalidades; serviço de oncologia; Centro Médico e Centro de Diagnósticos. Para garantir um alto nível de qualidade nos serviços prestados aos pacientes, o VITA tem investido em ampliação da infraestrutura, tratamentos com equipes multidisciplinares, modernização dos equipamentos, humanização no atendimento, qualificação dos profissionais e segurança assistencial. www.hospitalvita.com.br

Fonte: www.segs.com.br

domingo, 7 de abril de 2019

Três em cada cem mortes no país podem ter influência do sedentarismo

Praticar esportes é fundamental para o corpo e para a mente e ajuda a prevenir doenças como diabetes e hipertensão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o sedentarismo é considerado o quarto maior fator de risco de mortes no mundo.


Fonte: brasil.gov.br

terça-feira, 19 de março de 2019

Onda de massacres nos últimos dias evidencia a importância do seguro

O seguro nem sempre cobre os danos causados em ataques de fanáticos e/ou terroristas, como os que aconteceram nos últimos dias, em uma escola pública de Suzano (SP), em uma mesquita da Nova Zelândia e, nesta segunda-feira (18), na Holanda. Mas, sempre há uma alternativa que pode ser utilizada pelas pessoas ou empresas para amenizar ou ressarcir os prejuízos ou indenizar as famílias de pessoas eventualmente afetadas.
Ao comentar para o CQCS a importância do seguro nesses casos e indicar os produtos que atenderiam as pessoas afetadas, o consultor Sergio Ricardo afirmou que, a princípio, se tratam de “riscos fundamentais”, contra os quais apenas o Estado deveria fazer frente. Contudo, nem sempre se pode dizer que se trata de terrorismo. “Como temos visto, há ataques realizados por esquizofrênicos não aliados a grupos terroristas”, frisou o consultor.
Nesse contexto, além de seguros de Responsabilidade Civil, guardadas as escusas em relação a possíveis situações de risco restritas nas condições gerais do seguro, ele crê que as pessoas devem passar a se preocupar com os seus próprios seguros de pessoas, assim como os empregadores. “O mesmo deve ser feito pelos empreendimentos que realizam eventos e/ou têm muitas pessoas como clientes que frequentam esses estabelecimentos (escolas, por exemplo)”, acrescenta Sergio Ricardo.
Por fim, ele alerta que, nesses “lamentáveis” ataques de fanáticos e fundamentalistas de todas as origens sempre há uma dúvida sobre quem deveria prover segurança. “Por isso, não se descarta que estabelecimentos comerciais possam ser arrolados em processos judiciais das famílias das vítima

Fonte: CQCS

terça-feira, 12 de março de 2019

Sompo alerta para cuidados a serem tomados para evitar danos decorrentes de enchentes e alagamentos

Seguradora já conta com equipe especializada para atender ocorrências decorrentes das fortes chuvas que atingiram São Paulo na noite de domingo. Período do verão é quando mais acontecem indenizações por conta de alagamentos no Brasil

A Sompo Seguros S.A., empresa do Grupo Sompo Holdings – um dos maiores grupos seguradores do mundo, criou uma estrutura especial para atender às ocorrências relacionadas aos sinistros que venham a ser registrados por conta das fortes chuvas que atingiram a região da Grande São Paulo desde a noite deste domingo (10 de março). Segundo dados do Governo do Estado de São Paulo, o Corpo de Bombeiros atendeu 1.267 ocorrências relacionadas às chuvas na Região Metropolitana de São Paulo entre domingo e às 20h00 de segunda-feira (11 de março). “No período entre outubro e março há um aumento das ocorrências de sinistros por alagamentos que afetam segurados principalmente dos ramos Automóvel, Residencial, Condomínio e Empresarial. Nossa equipe já conta com uma infraestrutura para dar suporte ao aumento na demanda em casos dessa natureza a fim de agilizar o processo de indenização”, observa Andreia Paterniani, diretora da área de Sinistros da Sompo Seguros.
A seguradora mobilizou uma equipe técnica com objetivo de viabilizar imediato atendimento às ocorrências. “Nessas situações trabalhamos com prioridade máxima ao atendimento com o único propósito de indenizarmos os prejuízos no menor prazo possível”, lembra Andreia.
Desde a noite deste domingo, dia 10 de março, as fortes chuvas atingiram várias regiões do Estado de São Paulo. Vários pontos da capital paulista e do ABC estão entre as áreas mais afetadas, o que resultou na interrupção total ou parcial do transporte público, a exemplo do transporte sobre trilhos e linhas de ônibus. A cidade de São Bernardo do Campo decretou situação de calamidade pública (Decreto Municipal nº. 20.696/2019). Foram noticiados e circularam nas redes sociais diversos vídeos sobre pontos de alagamentos que arrastaram veículos, alagaram casas, comércios e shopping centers. Rodovias como a Rio-Santos (São Sebastião), Tamoios (Caraguatatuba), Anchieta, Imigrantes e Mogi-Bertioga registraram trânsito lento, congestionamento, pontos de alagamentos ou deslizamentos de terra.
Segundo dados divulgados pelo Governo do Estado de São Paulo, as medições pluviométricas no início deste mês mostram índices muito acima das médias históricas de chuva. Em Santo André, por exemplo, choveu 182 mm até o final da manhã desta segunda-feira, dia 11, o equivalente a 80% da média para todo o mês de março. Em São Bernardo do Campo e Ribeirão Pires, o registro do mesmo período correspondeu a 78% e a 74% das médias mensais, respectivamente.

Coberturas
A cobertura de alagamentos é, atualmente, contemplada em diversos ramos de seguro.
No seguro Automóvel, a cobertura básica já contempla sinistros em que há submersão parcial ou total do veículo em água doce proveniente de enchentes ou inundações, inclusive nos casos de veículos guardados no subsolo. Um incremento implementado na Assistência 24 Horas é que, ocorrendo eventos em decorrência de enchente e inundação, a Sompo Seguros providencia a remoção e, para os clientes do plano Vip, a limpeza e higienização das partes afetadas do veículo.
Já nos seguros Residencial, Condomínio e Empresarial, esta é uma cobertura adicional que garante ao segurado a indenização até o Limite Máximo de Indenização (ou LMI, que é o valor máximo de indenização estipulado na apólice) por perdas e danos materiais causados pela entrada de água no imóvel proveniente de aguaceiro, tromba d’água ou chuva; enchentes; água proveniente de ruptura de encanamentos, canalizações, adutoras e reservatórios (desde que não pertençam ao imóvel segurado, nem ao edifício do qual faça parte integrante) e alagamentos ou inundações causadas pelo aumento de volume de águas de rios e canais.

Cuidados
Andreia alerta que a melhor saída em situações de enchente é evitar o deslocamento, caso esteja em local seguro. “É importante que as pessoas compreendam que jamais se deve passar por áreas alagadas. Não há como prever se há buracos, madeira ou material cortante submersos que possam ferir. Além disso, a força da água, geralmente, é maior do que se estima. Todos esses são fatores que colocam a vida em risco. E a principal preocupação em momento de enchente é com a integridade humana”, observa Andreia
Mas, caso não haja outra alternativa, algumas medidas de segurança podem ajudar. Veja algumas delas:

Veículo:
  • Procure estacionar o veículo em local elevado e estacionamento fechado;
  • Caso não tenha estacionamento por perto, procure estacionar em ruas que não sejam aclives (subidas) ou declives (descidas), nem tampouco em ruas que ficam em regiões baixas, perto de declives;
  • Procure sempre tomar conhecimento das ruas e regiões com maior incidência de alagamentos e mude sua rota para não passar por elas;
  • Não enfrente a enchente. Essa é uma atitude que pode colocar sua vida em risco, além de provocar danos ao seu veículo;
  • Caso o nível de água esteja abaixo da metade da roda, procure acessar uma via próxima, sem avançar mais ainda na via alagada. Como não é possível observar o caminho em que está dirigindo, fica impossível saber dos obstáculos à sua frente (buracos, pedaços de madeira etc);
  • Caso seja apanhado pela enchente, abandone o carro caso a água atinja a altura do batente. A partir desse nível, o veículo pode começar a boiar, o que coloca sua vida em risco;
  • Em caso de enchente procure se abrigar em local seguro e coberto, longe da correnteza, de árvores ou correntes elétricas.

Imóveis:
  • Caso a água invada sua casa, prédio ou empresa; procure um local seguro e elevado, de preferência longe do alagamento;
  • Mantenha sempre água potável, roupas e remédios à mão, caso tenha que sair rápido de sua casa;
  • Desconecte aparelhos elétricos das tomadas e feche os registros de entrada de água e gás;
  • Evite contato com água ou lama de enchentes e não deixe que crianças brinquem no local, já que a água contaminada traz risco de doenças como hepatite e leptospirose;
  • Jogue fora alimentos e medicamentos que tiveram contato com água de alagamentos;
  • Caso tenha que efetuar limpeza no imóvel atingido por alagamento, use botas e luvas de borracha para evitar contato da pele com água contaminada;
  • Utilize água sanitária na proporção de dois copos (400 ml) do produto para um balde de 20 litros de água para limpeza do chão, paredes e objetos atingidos por enchente;
  • Não utilize nem efetue teste em equipamentos elétricos que tenham sido molhados ou que estejam em locais que foram inundados, devido às chances de choque elétrico ou curto circuito;
  • Caso você more ou trabalhe em áreas com histórico de alagamentos, consulte sempre a previsão do tempo para saber do risco de alagamentos nos locais em que frequenta.

Sobre a SOMPO Seguros S.A
A Sompo Seguros S.A. é uma empresa do Grupo Sompo Holdings, um dos maiores grupos seguradores do Japão e do mundo. Resultado da integração das operações da Marítima Seguros, companhia fundada em Santos em 1943, e da Yasuda Seguros, que está no Brasil desde 1959; a companhia atua nas áreas de Seguros Corporativos (Auto Frotas, Empresariais, Riscos Nomeados e Operacionais, Transportes, Engenharia, Responsabilidade Civil, Garantia, Agrícola, Penhor Rural e Benfeitorias, Vida em Grupo, Acidentes Pessoais Coletivo, entre vários outros) e Pessoais (Auto, Residencial e Acidentes Pessoais); bem como na área de Seguro Saúde. Atualmente a empresa conta com filiais em todas as regiões brasileiras.
O Grupo Sompo Holdings tem sua origem no Japão, atua há 130 anos no mercado de seguros e hoje conta com subsidiárias nos cinco continentes. No Japão, disponibiliza uma vasta gama de seguros nas áreas de Ramos Elementares, Vida e Acidentes Pessoais, além de outros produtos financeiros e serviços a fim de propiciar incremento na segurança, saúde e bem-estar dos clientes.

Fonte: Willian Parron/Sompo Seguros